Ads 468x60px

.

terça-feira, 14 de junho de 2016

ESTACIONAMENTO PAGO EM LAMEGO ADIADO

Seis meses depois de ter sido chumbado o concurso para a concessão e exploração pelo sistema de parcómetros dos lugares de estacionamento na via pública da cidade de Lamego, o executivo municipal ainda não apresentou outra proposta.
O presidente da Câmara, Francisco Lopes, tem alegado junto dos vereadores da oposição, que chumbaram a proposta em dezembro de 2015, que a deliberação não fala em anular o concurso e que por isso não o pode fazer. Na verdade a deliberação transitada para a ata refere que por maioria de quatro votos contra três foi decido “não aprovar o relatório de análise das propostas”.
Os vereadores da oposição que estranham não ter sido lançado outro concurso dizem que o presidente está a usar mais um “malabarismo” porque nas declarações de voto que fizeram ficou bem claro que a decisão era a anulação do concurso. A declaração de voto de Jorge Osório do PSD, a quem o presidente retirou os pelouros e a confiança política, termina referindo que “a ‘reprovação’ desta proposta de adjudicação deverá ter como consequência a anulação do presente concurso”.
Manuel Ferreira do PS chegou mesmo a defender a realização de um referendo “atendendo que a concessão do estacionamento na cidade a uma entidade privada é um tema controverso e complexo”.

Município queria aumentar cinco vezes os lugares pagos 

Um dos temas controversos na proposta do presidente da Câmara Municipal de Lamego era o aumento de 332 para 1.530 os lugares de estacionamento pago na cidade. Entre outras razões os vereadores que chumbaram a proposta para além de defenderem que a gestão do estacionamento público deve continuar sobre a alçada do município, como acontece agora, consideraram “exagerado” o aumento do número de lugares pagos.
Inconformado com a decisão dos vereadores, o presidente da Câmara, Francisco Lopes, lembrou que a concessão a privados da gestão do estacionamento nas cidades “é praticada amplamente por governos e municípios de diferentes orientações políticas e ideológicas”, considerando uma decisão de boa gestão que visa assegurar “a qualidade do serviço prestado aos cidadãos”.

JC

4 comentários :

Anónimo disse...

Lamentavelmente os senhores Vereadores estão mais preocupados com guerras político partidárias e vinganças pessoais, do que propriamente com o desenvolvimento e criação de emprego na cidade.
Convém referir que o caderno de encargos do concurso em causa foi votado em reunião de camara, tendo sido aprovado com a abstenção do Senhor Vereador Manuel Ferreira.
Mais tarde, o mesmo concurso foi aprovado em Assembleia Municipal, com a abstenção dos deputados municipais do Partido Socialista.
Estranha-se, numa altura destas a falta de coerência de certos Senhores Vereadores.

Anónimo disse...

Lamentavelmente os senhores Vereadores estão mais preocupados com guerras político partidárias e vinganças pessoais, do que propriamente com o desenvolvimento e criação de emprego na cidade.
Convém referir que o caderno de encargos do concurso em causa foi votado em reunião de camara, tendo sido aprovado com a abstenção do Senhor Vereador Manuel Ferreira.
Mais tarde, o mesmo concurso foi aprovado em Assembleia Municipal, com a abstenção dos deputados municipais do Partido Socialista.
Estranha-se, numa altura destas a falta de coerência de certos Senhores Vereadores.

Guilherme Esteves Bastardo disse...

Elucidam-me qual a qualidade de serviço prestada aos cidadãos? Será que pensam mesmo nos cidadãos ou devo concluir que o valor extraído dos parquímetros já dá para fazer a festa e arranjar empregados? Como tencionam resolver o problema dos moradores cujos prédios não têm garagem? Ah! Ainda me lembro: o cartão de morador...60 eur. mensais, sem lugar garantido, por veículo, sem guarda e garagem estrela...Pois para quem não sabe a provedoria geral da República e moradores de tres ruas no centro desta cidade continuam aguardar explicações acerca destes valores e condições se comparadas com o antigo parque de estacionamento espírito santo, 35 eur mensais, coberto, com guarda e lugar garantido...Isto me parece é brincar com o cidadão... Por falar em cartão de morador, segundo o regulamento estipulado pela cãmara, diz em determinada alínea ou art. que se houver estacionamento livre até 150m não há lugar a cartão de morador, o que significa que depois de me ter aplicado a medir as ruas da cidade, concluo que este não é possível para ninguém mas há cidadãos a pagar por ele... Acrescento já existe um abaixo assinado entregue na câmara a reivindicar cartão de morador a custo zero para os cidadãos de três ruas, porque existem prédios que não têm garagem, assegurando sim e desta forma a qualidade de serviço aos cidadãos...Mas o que tem vindo acontecer é que os moradores não pretendam estacionar, nem colocar moedinha, deixam o veículo em segunda fila para colocar as compras em casa, sujeitos a serem multados, pelo menos foi o que me aconteceu, vá-se lá saber porquê? Ora resta-nos colocar os veículos noutros bairros, no entanto os moradores desses mesmos bairros vêem-se sem estacionamento a que estavam habituados, ora o que acham que acontece? Dina Bastardo

Anónimo disse...

Então mas afinal paga-se estacionamento em Lamego ou não, os parquímetros estão a funcionar ou não?
Dentro de alguns dias vou visitar Lamego e não sei se coloco moedas no parquímetro
ou não!!!
Por exem. a Rua Dr. Justino Oliveira (Banco Santander Totta)Paga-se o estacionamento?

Obrigado.